domingo, 14 de dezembro de 2008

Hamlet

Semanas atrás assisti à peça "Hamlet" com Wagner Moura no Teatro FAAP.

Um pouco cansativa (eles encenaram o texto completo do Shakespeare, quase 3 horas e meia de espetáculo) mas EXCELENTE.

Shakespeare é Shakespeare. Não dá pra resumir a peça em um post, Durante séculos, milhares de autores escreveram livros e livros analisando a obra. É simplesmente fantástica.

Entretanto, fiz uma análise sociológica (dentre as inúmeras psicológicas, psicoanalíticas, políticas, literárias possíveis).

Hamlet estudava em Wittenberg, correto? Pois bem...quando escutei na peça pensei "conheço esse nome de algum lugar". Foi só jogar no Google pra lembrar que era a cidade do Lutero, onde ele nasceu, criou-se, estudou e divulgou as 95 teses na porta da catedral da cidade.

Como "há mais mistérios entre o céu e a terra, do que sonha nossa vã filosofia" e, vindo de Shakespeare, nada pode ser por acaso (rsrsrs), minha tese (quanta pretensão...) é a seguinte:

Hamlet se debate a peça inteira sobre a questão do destino. Ele se pergunta, em um momento da peça, sobre se deveria engolir os defeitos e aceitar o destino ou enfrentá-lo e fazer sua história. Várias vezes ele retoma esse tema pra justificar a sua escolha pela segunda opção.

Bom, Lutero não fez a mesma coisa? Não passou por várias reflexões internas e pessoais sobre os rumos e ideologias da Igreja? E, ao final, resolveu enfrentar a tudo e a todos pra mudar a história.

Só que aí entra outra interpretação possível. Apesar de Lutero ter mudado o "destino", ele criou uma religião em que o destino assume um caráter preponderante.

Max Weber no livro, que para mim é um dos melhores do século passado (kkk) - A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo (Companhia das Letras, R$ 45,00) -, analisa brilhantemente isso. Ele desmonta a teoria marxista de que o capitalismo teve início com as acumulações primitivas de riqueza, que engendraram a exploração do homem pelo homem desde os primórdios da humanidade. Aquela baboseira toda....

Para Weber, ao contrário, o capitalismo até o século XVI era muito incipiente e não poderia nem ter sido chamado de capitalismo. Para ele, o grande impulso ocorreu com a Reforma Protestante. A cultura protestante e o "espírito do capitalismo" estão diretamente relacionados, pois a primeira trouxe a doutrina da predestinação (destino) e da comprovação. Trocando em miúdos: os protestantes (e, principalmente os calvinistas - considerado o tipo ideal weberiano, primeiros imigrantes dos EUA) entendem que Deus já decretou o destino dos homens desde a sua criação. Ele elegeu os que serão os eleitos e os que serão os condenados à danação. E como eles descobrirão qual foi a escolha de Deus? O sucesso profissional/econômico é o principal sinal e a COMPROVAÇÃO da escolha divina. Por isso os caras trabalham pra caralho, só trabalham trabalham trabalham, levam vida ascética, sem luxos (e fizeram dos EUA o que eles são hoje. Igualzinho aos nossos colonizadores portugueses católicos-frugais.....), em busca de "sinais" de comprovação da escolha divina (sucesso, riqueza). Isso é um resumo do resumo da tese....quem quiser, leia o livro.

Mas voltando: Hamlet, ao mesmo tempo que resolve encarar de frente o destino e mudá-lo, também não está sempre em busca da COMPROVAÇÃO de que o pai foi assassinado, de que ele é o eleito para vingança, etc.?!?!? Ele é Lutero na ação e Lutero na sua teoria. kkkkkk


O que vocês acham?









3 comentários:

3 x Trinta - Solteira, Casada, Divorciada disse...

O que eu acho?

Que o Wagner Moura é um gostoso!!

kkkkkk

Valeu a visita no nosso blog. Volte mais vezes ;-)

beijos

A Casada

Erica Abe disse...

E não é que faz sentido, menino-johnny? É...eu simplesmente AMO "A Ética protestante....". E, agora, ficou mais interessante...hahaha

- e eu que prometi que não ia comentar...mas td bem..

Erica Abe disse...

hehe...e eu que tava me achando totalmente looser por não entender a frase...kkkkk....

Então, venha sim, vai ser divertido. Amo Brasília!

Mas eu vou antes - certamente. Sexta. Se quiser, puder e te convier, podemos marcar a tal cerveja.

Beijos