domingo, 8 de fevereiro de 2009

Poema para minha mãe

Este poema eu dedico à minha mãe.
Mãe de dois filhos que a amam muito!

Afeto - Adriana Monteiro de Barros

Meu corpo é feito de afetos.
É feito de tudo que tem existência,
de tudo que gera uma vida.
Em meu corpo, duas sementes germinaram,
dois presentes, duas bênçãos,
dois poemas que jamais sonhei.
Meu corpo é pleno, cheio.
Tudo nele significa.
É um corpo repleto de aberturas e limites.
Um corpo que se ajusta
e se encaixa com os anos
em pés que aprenderam a dançar sem chão
e mãos que tocam notas invisíveis num piano
invisível.
Nesses dias, anoiteço mais cedo.
Deixo o vento do outono soprar sobre o meu rosto
e a lua da manhã me recobrir de estrelas.
Nesses dias anoiteço dentro de pianos invisíveis.




Li no Blog do Noblat

Um comentário:

Maria Teresa disse...

Eu amo vocês de paixão. Obrigada pelo poema. É lindo!