domingo, 10 de janeiro de 2010

Perspectivas 2010 - Stephen Kanitz

Famílias que possuem reservas numa crise, tem dois benefícios. Podem controlar a crise sem nenhum problema maior, usam as reservas para custear a queda de 0,5% estimado no PIB. Não precisam cortar despesas, o que simplesmente agravaria a recessão.
Melhor do que isto, famílias que possuem reservas, saem na frente, quando a recessão mostra sinais que está no fim. Podem comprar ações da GOL, que estavam a R$ 6.00 reais, e agora estão a R$ 26,00, como muitos que assinam o BDQC fizeram.
Com países, ocorre a mesma coisa. Nunca saímos na frente, porque ficávamos atolados com dívidas com o FMI, porque nunca tivemos reservas.
Em vez de comprar empresas americanas a preço de banana, tomamos emprestado do FMI.
Uma das preocupações de Meirelles, é se nós saberemos administrar o nosso sucesso atual.
A frase dele é profunda, porque o Brasil nunca soube administrar o seu sucesso passado.
Queimamos um bilhete premiado após o outro. Não soubemos administrar o sucesso do Plano Cruzado, do Plano Collor, do Plano Verão, do Plano Bresser, do Plano Real, e assim por diante.
Esta é uma questão de deveria ser melhor estudada pelos nossos historiadores. Porque nunca soubemos administrar o nosso sucesso ? Porque torramos a sorte, aumentando despesas, desperdiçando oportunidades, e assim por diante.
Uma das razões está justamente no termo "administrar nosso sucesso".
A maioria dos que administraram o este país não entendem de sucesso muito menos de administração. Os mesmos intelectuais que criaram e idealizaram os Planos Econômicos que foram relativamente bem sucedidos, acharam que deveriam também administrar o "sucesso" destes planos, um erro monumental.
Criar um plano econômico, exige competências totalmente diversas, daquelas necessárias para administrar o sucesso do plano.
No futebol americano, eles tem um time inteiro para a Defesa, e outro para o Ataque, que se revesam. Nós sempre usamos o time de Defesa, aquele que elaborou o Plano de Combate a Inflação, para comandar o Ataque.
Lula perdeu a eleição de 1994, por não entender que a equipe de criou o Plano Real, era um time de Defesa, por definição, e não uma equipe de Ataque, leia-se de Crescimento. "Parabens a FHC, por fazer sua obrigação, agora nós precisamos de um outro time, uma outra competência, de fazer este país crescer de novo." Discurso que, pelo menos eu, teria feito, em vez de atacar o Plano Real como sendo um engodo.
Guido Mantega, está permitindo as despesas do governo crescerem sem controle, sem administrá-las corretamente. Corremos o risco de mais uma vez não administrar o nosso sucesso.
Como diz apropriadamente Levy Strauss, ""O Brasil não pode continuar correndo o risco de se tornar obsoleto antes de ficar pronto."

Nenhum comentário: