domingo, 3 de janeiro de 2010

PSDB Pretendia Privatizar a Petrobrás - Manchete de Natal

Stephen Kanitz



Vários jornais publicaram a afirmação acima que o PSDB pretendia privatizar a Petrobrás, algo já desmentido por Geraldo Alkmin quando candidato em 2006.
Assusta o desconhecimento de certos políticos do próprio PSDB e jornalistas econômicos, dos conceitos mais elementares de finanças e administração.
Mesmo se quisesse, o PSDB não poderia privatizar a Petrobrás, porque ela já é uma empresa de capital privado.
A União detêm somente 32% do capital da Petrobrás, tanto é que a União recebe somente 32% dos dividendos distribuídos pela Petrobrás, um dado facilmente verificável em qualquer site de bolsa.
É assustador que Geraldo Alkmin perdeu votos na eleição de 2006, porque não sabia destes fatos, bastaria conversar com um único analista de o que Geraldo não fez.
A União é o Minoritário da Petrobrás, algo que 99% dos brasileiros desconhece.
Esta é a verdadeira razào do PT querer aumentar o capital de Petrobrás, não para re-estatizá-la, mas para que a União tenha pelo menos 51% do capital da empresa, e explicarei mais adiante.
O que Geraldo Alkmin e jornalistas sem diploma em Administração e Negocios não sabem, é que a UNIão somente manda na Petrobrás, porque 55% das ações de Petrobras NÃO tem direito de voto,
No Novo Mercado, mercado criado recentemente por administradores socialmente responsáveis, e é o padrão de todos os IPOS recentes, todo acionista tem direito de voto.
Um principio de justiça social e democracia consagrada há mais de 700 anos, mas que ainda é negada aos acionistas de muitas empresas brasileiras do Velho Mercado. "Queremos sim seu dinheiro, mas não queremos suas opiniões, nem que você tenha o direito de escolher o futuro presidente da companhia".
Conseguimos, depois de muita luta, mudar isto no Novo Mercado, da qual sou árbitro, um dos poucos cargos que fiz questão de manter depois de aposentado. Não existe no Novo Mercado ações preferenciais sem direito a voto, o que nós administradores socialmente responsáveis achamos totalmente anti-democratico.
No Novo Mercado não existe esquema que permita acionistas minoritarios que somente detem 32% ao menos, controlarem a empresa, apesar de serem minoritarios. Isto ocorre somente no Velho Mercado.
O triste, é que nenhum jornal ou revista defendeu nossa luta pelas Diretas Já, porque administradores neste país são considerados cidadões de segunda classe, que nada tem a propor de novo, que não tem ideiais, que somos imbuídos de "espiritos animais", como não cessa a afirmar Delfim Netto e Eduardo Gianetti.
Portanto não daria para o PSDB privatizar o que já pertence ao setor privado.
Nem tampouco o PSDB privatizou a Telebrás, e suas subsidiarias, como sempre vejo mencionado por alguns inteletuais. A Telebrás sempre foi uma empresa de capital privado, capital que voces donos de linhas telefonicas pagaram (caro) pelos planos de expansão, e receberam acões da Telebrás em troca.
Como este fato raramente foi apresentado pela nossa imprensa, muitos de vocês venderam as suas Cautelas de Acoes da Telebras, por preço de banana para alguns investidores que entendiam de finanças e administraçao.
O total desconhecimento de questões elementares como estas, complica bastante o debate de questões relativamente simples, e impossibilita que passamos a discutir questões mais complexas de gestão de nosso país.
Este foi o grande erro de FHC, e de outros governos anteriores preferiu vender o "bloque minoritario de controle" da Telebrás, porque assim obteria mais dinheiro, do que transformar a Telebrás no Novo Mercado, permitindo os acionistas majoritarios que eramos nós, votarem.
Por isto precisamos sim de um imprensa forte, que saiba informar corretamente o que está acontecendo neste país, em vez de confundir o leitor chamando de acionistas minoritatios, aqueles que fato são majoritarios, e chamando de majoritários aqueles que somente possuem 32% ou menos da empresa.

Email this • Subscribe to this feed • This item is from "O Blog do Stephen Kanitz"
Stephen Kanitz in Administração Econômica Permalink Comments (5)

Nenhum comentário: